Avanca Film Festival

DSC_0409

Estive no Festival de Avanca e vi alguns documentários: Ao redor da música (Joaquim Haickel, Brasil), A aldeia solitária (Carlos Silveira, Portugal); Une fille Ouessant (Eléonore Saintagnan, Bélgica), Hélice (Tiago Silva, Portugal).

DSC_0332 DSC_0323

Confesso que  fui esteticamente “salva” pelo filme japonês “It’s also love” de Masao Konno, 2016, mas sobretudo pelas curtas-metragens originárias de Malta:

Mov Bak Pljiz (Keith Tedesco), Toxicity (Angelique Muller), 84 Sheep (Thomas  Georgi), Viva Malta (Sarah Mailia, ), Entropy  (Massimo Denaro).

DSC_0401

DSC_0402 DSC_0409

DSC_0411

DSC_0416

28235458_190528631545951_4870671735036840853_o

DSC_0431

DSC_0433

DSC_0438

DSC_0440

DSC_0441 Oportunidade para ver também a exposição do Festival no CC de Ovar:

DSC_0449 DSC_0452 DSC_0472 DSC_0464 DSC_0453 DSC_0457 DSC_0455 DSC_0461 DSC_0465 DSC_0473

Tenho que admitir que foi a primeira vez que assisti a um Festival português com legendagem em inglês. Uma experiência singular.

____________________

“Nota Marginal”: Esta rubrica “outras cinefilias” é constituída por outros amores – amores cinéfilos – e só aparentemente é que não se relaciona com o Plano Nacional de Cinema. Consubstancia, para mim, uma prática preciosa e insubstituível na formação e elevação da minha sensibilidade estética e  consiste em ver filmes nos mais variados contextos, como por exemplo, em festivais, encontros, observatórios, mostras, retrospetivas e ouvir os seus realizadores. Única forma para aprender sobre Cinema. Um privilégio.

Top